Category Archives: Sem categoria

Desafio das Fechaduras

Essa seção do Gaveta procura, como não poderia deixar de ser, trabalhar diretamente com literatura, mas, dessa vez, feita dentro da equipe do projeto. Uma história é lançada e, periodicamente, novas partes dela serão publicadas. Funciona assim: depois de publicada, a história terá seu desenrolar nas mãos do público. No final de cada capítulo, haverá três possibilidades de continuação e os leitores votarão naquela que preferir. Ou seja, tudo o que acontecer na história – desde ser levada a algo que não faça muito sentido até à morte de um personagem – será de responsabilidade daqueles que votaram para que tal coisa acontecesse.  Desse modo, o Gaveta dá a oportunidade de aqueles que nos acompanham construírem um enredo junto conosco. As votações poderão ser realizadas logo após a leitura do capítulo atualizado, aqui mesmo no site.
Quem ficará responsável pela escrita dos capítulos escolhidos por meio de votação é Maria Anna Leal Martins. Ela é editora do projeto e já teve alguns de seus textos publicados no Jornal de Gaveta.

Quer conhecer esse desafio? Então acesse.

Foto: Marlon Diego Edição: Matheus Fábio
Foto: Marlon Diego
Edição: Matheus Fábio

HIPOGLICEMI(NH)A

7YtpJ11

Doce.

———– Em busca de

doce

————elas percorriam meu corpo hoje.

————E até encontrariam

o doce

————se a vida,

————que não tem

————-(quase) nada

de doce,

————não me tivesse chupado

————–o que um dia em mim

foi doce.

– Ceaga: Confiando na proteção do acaso, andei muito tempo distraído pela estrada da vida. Fui otário! Caí em vários buracos. Hoje, com vários arranhões na derme e na epiderme, sobrevivo, mas de muita coisa me privo. Meus versos eternizam o que eu fui num pretérito (imperfeito), o que sou num presente – que é tudo, menos simples -, e o que um dia eu talvez seja num futuro um tanto incerto.

Veste

0iuBhqb

Disseram-me que
deveria escolher
qual veste dar aos meus versos
é como Drummond?
como Leminski?
como Cecília?
ou autores diversos?
Então eu descobri que meus versos
são nus, desses que não se veste de alguém
ora é assim, ora assado
com ritmo ou
…………………………des
………com

….pas
……………sa
…….do
sem se apossar da veste de ninguém.

– Caipirinha do interior paulista, com 20 anos de idade, me chamo Camila e comecei a escrever para dar forma às abstrações que guardo em mente. Grande entusiasta da vida e amante de música tenho procurado meu caminho entre as pedras do mundo.