Monthly Archives: Fevereiro 2015

Veste

0iuBhqb

Disseram-me que
deveria escolher
qual veste dar aos meus versos
é como Drummond?
como Leminski?
como Cecília?
ou autores diversos?
Então eu descobri que meus versos
são nus, desses que não se veste de alguém
ora é assim, ora assado
com ritmo ou
…………………………des
………com

….pas
……………sa
…….do
sem se apossar da veste de ninguém.

– Caipirinha do interior paulista, com 20 anos de idade, me chamo Camila e comecei a escrever para dar forma às abstrações que guardo em mente. Grande entusiasta da vida e amante de música tenho procurado meu caminho entre as pedras do mundo.

Minhas Fobias

minhas fobias
Tenho fobia de filas.
Filas de supermercados,
de ônibus,
bancos,
e terminal integrado.
Tenho fobia de lugares tumultuados.
Olinda no carnaval,
o Galo da madrugada.
No reveillon os fogos de artifício,
quando em exagero.
Tenho medo até de procissão
e enterro.
Não tenho medo de bicho,
aranha, cobra, macaco, mosquito.
Tenho medo é de gente.
Gente que me prende,
gente que morde e não come.
Tenho medo de gente que me consome.
Suga meu oxigênio e me sufoca.
Mas não sei se isso importa.
Nem sei mais pra quê escrevo.
Ah, sobre os meus medos.
Que exagero!
São medos tão esquisitos
que nem sei se existe nome.
Espera, parece que eu tenho
Agorafobia,
quem diria.
Mas o pior deles,
-eu vi no Google-
é a tal da filofobia:
Medo irracional de se apaixonar.
E acabar
-como no Poema da Naia-
uma pobre e puta
BURRA.
AQUINO

Ps.: Porque apaixonar-se é pior do que enfrentar a fila do Barro/Macaxeira numa manhã de sexta-feira.

– Cris Aquino é bióloga por formação e aspirante a fotógrafa por paixão. Não sou poeta, mas rabisco algumas palavras que descrevem os meus sentimentos e o meu dia-a-dia. Escrever é um descarrego, uma terapia.

Writing

image
Um caderno
Folhas preenchidas
Pena embebida em tinta
Desenhos de flores, palavras de namoro

Uma pequena tábua
Vários rabiscos
Uma talhadeira suavemente manejada
Dois nomes colados

O suspiro do escriba
Os movimentos ágeis
O olhar rápido e esgueiro acompanhando os traços
As batidas rápidas no peito abrindo-lhe um sorriso.

-Mike Torres estuda Jornalismo na UFPE, tem 22 anos, está no sexto período da graduação e tem muitos sonhos, tanto pessoais quanto profissionais. Ama música, fones de ouvido, história, livros, o mundo virtual e poesia. Gostaria de dar um abraço em todo mundo.